.posts recentes

. AS CRIANÇAS

. DR. JEKYLL AND MR. HYDE

. A VIDA

. QUE FAZER QUANDO SOMOS PE...

. CONFIDENTES

. LES LIAISONS DANGEREUSE...

. IL GATTOPARDO

. COMMONWEALTH vrs EUROPA

. DO HOLOCAUSTO À EUTANÁ...

. AS JUVENTUDES

.arquivos

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Dezembro 2012

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Janeiro 2008

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Setembro 2006

Domingo, 6 de Setembro de 2009
A VERDADE. O PODER E A ÉTICA

Nunca como neste percurso eleitoral se falou tanto de Ética e Verdade, e nunca estes conceitos andaram tão arredados da prática política!

É certo que o governo, na pessoa do seu Primeiro Ministro faltou muitas vezes à verdade, no sentido em que antecipou promessas que não soube ou não poude cumprir.

Também é certo que os tempos não lhe foram favoráveis. Fraudes financeiras que se arrastavam há anos - algumas encabeçadas por respeitabilissimos banqueiros, alguns deles apresentando-se como referências éticas e grandes defensores da "verdade", outros apenas oportunistas espertos a quem as relações com o poder político grangearam relações internacionais vocacionadas para o mesmo tipo de expedientes -, uma gravíssima crise financeira internacional de inesperados contornos e desconhecidas soluções que pesa implacavelmente na economia e no ambiente social, uma "pandemia" que sempre vai dando azo a censuras, uma oposição desenfreada que não consegue encontrar qualquer espécie de benfeitorias na governação mesmo quando, como acontece frequentemente, se trata da ideias que acarinhou no passado.

A tudo isto acrescente-se uma total falta de ética e de verdade por parte da oposição que sabe de ciência certa que não poderá pôr em prática as propostas com que tenta aliciar o eleitorado. O serviço da dívida, a dificuldade crescente em conseguir empréstimos, a, ainda que remota, ameaça do FMI ou o BM virem a interferir na gestão do País, com as limitações que tal criará, não deixam grande margem de manobra, Acresce que Socrates grangeou nestes anos simpatias pessoais e partidárias que convêm a Portugal. Veja-se o desinteresse com que Angela Merkel "acolheu" Ferreira Leite (chegou meia hora atrasada, despachou-a em meia hora, não quis fotografias, e nem sequer veio à porta para o shake-hand da despedida) e compare-se com o acolhimento que o então PM alemão dispensou a Socrates em igual situação.

 

Manuela Ferreira Leite é uma heroína sem glória: muito poucos, dentro e fora do PSD, simpatizam com a pessoa e com o estilo dela - só Inês Serra Lopes, que já conhecemos de dois desaparecidos jornais, se lembraria de dizer que ela tinha um estilo "doce"...-, é desinteressante na repetição dos mesmos chavões, pretensiosa na imodéstia com que se arvora paladina da moral e, acima de tudo, uma incansável porta-voz de mestre Cavaco que, aparentemente, terá delegado nela a pesada tarefa de lhe pôr aos pés o poder absoluto.

 

Com ela no governo - o que não parece fácil...- Cavaco mandará no governo e liderará o PSD. Terá o PODER ABSOLUTO!

 

Pessoalmente, como católico e conservador, identifico-me com os valores que ele diz perfilhar: abomino o aborto, não vejo porque razão hão-de os homosexuais querer casar (!!), privilegio a solidariedade para com os menos afortunados, desejo para o meu País paz, justiça e concórdia social. Creio, aliás, que todos o desejamos com maior ou menor consciência. Só não entendo como conciliar estes valores com um clima de ódio, de calúnia e de veladas insinuações! Será isto a nobre arte da Política???? 

 

Valerá a pena lembrar que Cavaco - que "nunca tem dúvidas e raramente se engana" - não esquece contrariedades. O caso dos Açores - em que,diga-se, a razão era toda dele e não do governo -, a pressão sobre Dias Loureiro - que. apesar de tudo, não lhe causou a "estufacção" que lhe causou a não eleição de Lobo Antunes para a chefia da Comissão de Ética...-, os sucessivos envolvimentos de ministros do seu consulado em actos pouco abonatórios, tudo contribuiu para tornar nebulosa a colaboração estratégica - seja lá isso o que for... - que ele, eticamente, acha dever manter. 

 

Mas cautela! "Todo o poder corrompe. E o poder absoluto corrompe absolutamente"...

 

Serão muitos ovos num mesmo cesto. E se é verdade que Cavaco é um homem impoluto o mesmo não se pode dizer de algumas das suas escolhas.

 

Se não queremos uma maioria absoluta - sabendo embora que sem ela agovernação será caótica...- muito menos será de desejar que as circunstâncias façam de Cavaco um arremedo de Salazar.

 

publicado por petitprince às 23:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009
Folhetim "A moura Guedes"

Como se já não bastasse a indigência que vai por cá, a outra Manuela, a Ferreira Leite - que só ganhou em não ser fotografada ao lado de Angela Merkle...- fez constar, desde Berlim ,a sua "preocupação" pelo corte daquele edificante jornal de sexta feira protagonizado pela "coitadinha" da Moura Guedes.

 

Num País em que se concentram uma série de problemas gravíssimos, a imprensa diária faz capa e abre noticiários com o fim de um telejornal de sexta~feira (dia das bruxas,,,) em que uma locutora ansiosa de protagonismo se entretinha a desancar o PM.

Que o PM não tenha gostado é humano e natural seria que, inquirido sobre o assunto, se manifestasse maçado. Qualquer de nós faria o mesmo! Só que o PM não é "qualquer pessoa" e diga ele o que disser - ou não disser...-tudo é aproveitado.

O facto é que nem Socrates merece um telejornal inteiramente dedicado à sua pessoa, nem a famigerada locutora merece tanto estardalhaço.

Como consequência da tão legitima quanto inoportuna decisão dos actuais proprietários da TVI, temos agora a fotografia da "vitima" espalhada pelas bancas, com realce para uns pés e mãos de dinossauro que não seria de supor descobrir na velha-adolescente, Socrates afastando acusações - realmente, só se ele fosse mesmo muito burro é que se metia nisso, e ele é tudo menos burro...- , e os líderes e comentadores compondo ambíguas declarações que lhes permitam aproveitar a deixa sem se comprometerem excessivamente aos olhos do "povo".

Há já quem diga por aí que Moniz saiu porque não podia ser ele a despedi-la. Mas, obviamente, isso é outra calúnia. Eles amam-se!

 

Resultado: ninguém compra os jornais e foge-se dos noticiários.

 

Porque o que nos preocupa não é aquele fait-divers nem as vinganças do Mário Crespo.

O que nos preocupa somos nós, os Portugueses!

 

Quanto a eles, bem podiam ir lamber as feridas para o aconchego das suas tertúlias.

 

Que triste sociedade!  

   

sinto-me: PRRRHHH!
publicado por petitprince às 15:54
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. todas as tags

.favorito

. A POLÍTICA E A VIDA

. HOW IMPORTANT IT'S THE ...

blogs SAPO
.subscrever feeds